Blog sobre Iluminação, Arquitetura, Design

Posts com Tag ‘iluminação artificial’

Imagem do dia

In Luminária decorativa on 12 de junho de 2012 at 10:00

Fonte da imagem do site: onze onze.

Imagem do dia

In Iluminação Pública on 24 de abril de 2012 at 21:00

Fonte da imagem do site: Onze Onze.

Luz também é arte

In Efeitos de iluminação on 21 de março de 2011 at 11:02

Artista plástico Paulius Nosoka.

O Artista plástico Paulius Nosoka brincou de desenhar a luz. Juntou algumas fontes de luz como lanternas e entre outros, com diversos tipos de lâmpadas, frias, halógenas, de forte potência e baixa potência.  E com estes jogos foi congelado em imagem stop-motion.  Como a iluminação é algo que me fascina, ela envolvia com a arte então não pude resistir. Segundo o artista a luz não é só uma fonte de iluminação, mas também uma criadora de forma maravilhosa, e ai o trabalho TEMPO + LUZ = FORMA

Bom, então vamos dar um passeio nessa galeria virtual:

Fonte das imagens acima do site Mocoloco.

Integração de luz natural com artificial

In Efeitos de iluminação on 28 de julho de 2010 at 0:08

Projeto arquitetônico do escritório Andrés Remy Arquitectos, a casa Devoto fica na Argentina. Esse projeto tem um bom casamento entre a luz natural e artificial. Com fonte luz difusa e indireta.

Algumas imagens:

Grandes aberturas de portas e janelas. Ao fundo da imagem, no muro próximo da piscina tem instalados up-lights para marcar de luz no muro e realçar a vegetação.

Abertura zenital no canto esquerdo para captação de iluminação natural. O forro é composto por gesso e luminárias embutidas, deixando o teto mais limpo e neutro.

Ao fundo com a parede revestida de pedra, podemos ver que aproveitou-se do gesso para fazer uma sanca invertida e manchar de luz na parede.

Iluminação indireta com sanca invertida.

Balizadores nos degraus da escada.


Fonte das imagens do site Design Milk.

Casa Cor Goiás 2010

In Efeitos de iluminação on 29 de junho de 2010 at 23:50

Terminou no dia 15 de junho a Casa Cor Goiás 2010. Eu tive a oportunidade de visitar e estava muito bacana. E é claro, meu olha clínico foi direto para a iluminação. Iluminar Casa Cor é bem diferente de qualquer ambiente, pois aqui o objetivo é destacar novos revestimentos, mobiliários de design e enfatizar o que há de novidade no mercado da decoração. É uma pena que não podemos fotografar Casa Cor, pois no local mesmo cada um se identifica com um cantinho, um móvel ou um efeito e que seria bacana registrar. Mas busquei como fonte as imagens do site da Casa Cor para vocês acompanharem.

01. Átrio de Entrada Jalma Borges Lamounier, Mônica Tormim e Manuel Balbino Carvalho

02. Átrio das Maquetes – Frederico Adejar

03. Brinquedoteca – Sarah Balsanulfo

04. Sala de Marketing – Marcos Queiroz

05. Sala dos Advogados – Natalia Veloso e Karine Espirito Santo

06. Escritório do Diretor – Irma Leão e Andreia Carneiro

07. Sala de Cinema  - André Brandão e Márcia Varizo

08. Lounge de Chegada – Alexandre Milhomem

09. Boulevard – Ana Paula de Castro e Sanderson Porto

10. Loft do Bebê – Simone Sebba Daher e Telma Lilian de Fatima Matteucci

11. Área Social – Doriselma Mariotto

12. Home Office – Simone Sebba Daher

13. Suíte da Moça – Ticiana D´avila Stefenoni e Arytana D´avila Stefenoni

14. Suíte Casal – Ana Maria Miller

15. Suíte do Menino de 12 Anos – Ana Paula Pascoal

16. Cozinha e Dependência – Gabriella Saback e Paula Munhoz

17. Academia em Casa – Laciana Taquary

18. Living Principal – Pedro Paulo do Rego Luna

19. Home – Meire Santos

20. Sala de Jantar – Claudio Múcio e Marcia Carvalho

21. Cozinha – Pedro Ernesto Gualberto e Leandra Castro

22. Sala de Leitura – Rosangela Siqueira Queiroz

23. Quarto do Casal – Ninfa Regina Melo Canedo e Irondina Siqueira de Assis

24. Banho do Casal – Nando Nunes

25. Studio do Executivo – Augusto Tomé e Júnior Roriz

26. Studio do Rapaz – Simone Moura e Fábio Souza

27. Studio do Recém Casado  - Fatima Mesquita, Marcia Albieri e Regina Amaral

28. Studio Tecnológico – Victor Carneiro Tomé de Oliveira

29. Café – Claudia Zuppani

30. Espaço Mulher  - Maria Célia Morais e Wanessa Clara da Silva

31. Banhos Públicos 2 – Alessandra Jardim Lobo e Camila Braga Gomides de Sousa

32. Wine Bar  - Aninha Teixeira e Marilia Teixeira

33. Jardim – Roberto da Silva Lima e Ricardo da Silva Lima

34. Boulevard Casa Cor – Fabiana Bellini

35. Espaço Gourmet – Genésio Maranhão

36. Armazém do Artesanato  - Daniel Almeida

37. Loja Casa Cor – Rose Campos Vaz

38. Loja – Mariana Mendonça, Luana Mendonça e Tarcila Lôbo e Alline Queiroz

39. VPM – Leo Romano

40. Loft – Leo Romano

41. Garagem – Cynara de Siqueira e Karina de Siqueira

42. Praça Casa Cor – Suny Vieira Melo e Marcelo Fernandes

43. Bar – Ednara Martins Braga e Flávio Paraguassu

44. Restaurante – Maurem Françoise de Souza

45. Banhos Públicos 2 – Tayná Gonçalves e Georgia Silveira

46. Deck Saída – Ale Kostik e Deise Vilela

Efeitos de Iluminação

In Efeitos de iluminação on 10 de fevereiro de 2010 at 15:01

A arte de iluminar! fonte da imagem: site La Lampe.

“Quanto menor for o esforço de adaptação do indivíduo, maior será sua sensação de conforto.” site Osram.

Para um ambiente aconchegante e acolhedor você não vai precisar somente de móveis, tapetes, adornos e pinturas de paredes. Pois nada terá o mesmo valor se a iluminação não fizer parte desse contexto. E não falo aqui de luminária de design ou de moda, mas sim do efeito de iluminação, esta sim dará o resultado esperado para o ambiente proposto.

O efeito de iluminação é muito importante para cada ambiente, saber qual sua função (se é trabalho ou descanso), saber o perfil do usuário (seu cotidiano, a idade), e observar a decoração do ambiente. Principalmente no que se refere as cores e texturas.  Esses itens interferem e muito no efeito de iluminação desejado. Antes de sair “salpicando” o teto de luminárias, faça um estudo mais adequado e cauteloso sobre o ambiente a ser projetado, e nada melhor do que consultar alguém que seja especialista na área de iluminação, pois iluminar não é uma tarefa fácil, existem muitas informações e detalhes técnicos. Como todo e qualquer projeto, é melhor analisar muito bem antes de executá-lo. Assim estará evitando transtornos e desperdício de tempo e dinheiro com obra.

LUZ AMBIENTE e a iluminação geral de um ambiente e que pode ser classificada em luz difusa ou luz indireta. Esse tipo de iluminação não tem intenção de ressaltar algum tipo de objeto, mas ajuda na percepção de um todo do ambiente e tem maior flexibilidade na disposição interna dos ambientes. É um tipo de iluminação que pode ser usada em qualquer ambiente na casa, mas também em salas ou quartos. Nestes casos é sempre bom ter outros tipos de fonte de luz que possam modificar a intensidade de luz, pois nem sempre se quer luz total.

Este ambiente está com iluminação geral, iluminado por inteiro e sem sobras. Fonte da imagem: site Portal Casa & Cia.

LUZ INDIRETA: esse tipo de iluminação trabalha por meio de reflexão onde o facho de luz é direcionado para cima e reflete no ambiente. É uma luz mais suave e agradável, pois a fonte de luz não vai diretamente aos olhos, se vê somente o efeito já produzido. Esse tipo de iluminação pode ser adotado nos ambientes como salas e quartos para se obter o efeito de luz indireta. Para isso é necessário escolher a luminária correta que esconda a lâmpada e faça a reflexão. Por exemplo: luminárias de piso, plafons, arandelas e detalhes de gesso.

Este ambiente é um bom exemplo de iluminação indireta, com as luminárias de piso nas laterais do sofá e o detalhe de gesso no teto. Esse tipo de detalhe de gesso é chamado de “rasgo” e sua fonte de luz é com lâmpada fluorescente tubular, e por ser uma sala, ambiente onde recebemos visitas e ambiente onde descansados também, então a luz deve ser amarela para criar mais aconchego. Fonte da imagem: site La Lampe.

Ambiente com complemento de iluminação indireta proporcionada pelas arandelas.Projeto Luminotécnico da Light Design,com a arandela Box.

LUZ DIFUSA: é uma luz mais homogênea que distribui por igual no ambiente. Esse tipo de luz é mais versátil, pode-se utilizar em qualquer ambiente, como salas, quartos, banheiros, cozinhas, garagens e corredores. Mas lembre-se, se for sala e quarto é importante ter outros tipos de fonte de luz, pois nem sempre deseja-se somente luz geral no ambiente.

Este ambiente está com  fonte de luz difusa, proporcionado por dois pendentes de vidro leitoso. Fonte da imagem: site Vistosi

Outro exemplo de ambiente com iluminação difusa. Nessa foto podemos observar a mistura da luz artificial e a natural. Mas propositalmente, a luz do dia é uma luz difusa, clara e homogênea. Fonte da imagem: site Vistosi.

Este lavabo é um exemplo de uma mistura de iluminação difusa com iluminação indireta. Que é proporcionada pelo plafon de acrílico no teto que é a luz difusa e lâmpada fluorescente tubular atrás do painel do espelho que é a luz indireta. Neste caso as duas fontes de luz se complementam. Fonte da imagem: site casa.com.br.

A ILUMINAÇÃO PONTUAL ou de destaque é o tipo de iluminação que cria centro de interesse para algum tipo de adorno, um móvel ou uma tela. É uma iluminação que proporciona mais luz e sombra, uma vez que o facho de luz é concentrado o restante fica com sobra. A luz pontual pode ser também luz de tarefa, como luminárias de leitura que tem uma função específica de pontuar a luz na área de trabalho.

Exemplo de iluminação pontual destacando o adesivo na parede ao fundo. Fonte da imagem: site Fabbian.

Outro exemplo de iluminação pontual direcionando e destacando para os quadros acima do aparador. Percebe-se o efeito de luz e sombra, com a concentração de luz nos quadros e margem de sombra, ou penumbra no restante do ambiente. Fonte da imagem: site Portal Casa & Cia, Uol.

Este é um ambiente que demonstra a iluminação pontual de tarefa, onde o facho de luz é direcionado conforme o interesse do usuário. Fonte da imagem: site Vistosi.

ILUMINAÇÃO DECORATIVA é uma luz mais aconchegante, a intenção dela não é “iluminar”, mas sim deixar o ambiente acolhedor. Para esse tipo de iluminação pode-se usar abajur, dispositivos de dimmer, ou mesmo com outros elementos decorativos como velas.

Nesta foto podemos ver o pendente como centro de interesse e um elemento decorativo, o efeito de luz que é produzido cria um desenho de luz nas paredes deixando-o com uma atmosfera interessante. Fonte da imagem: site Vistosi.

Ambiente com efeito de iluminação decorativa, proporcionado uma luminária de pé com cúpula. Fonte da imagem: site La Lampe.

ILUMINAÇÃO FUNCIONAL como o próprio nome diz ela deve ser funcional e está relacionada a estimulação da atividade física e mental. Esse efeito ajuda na percepção do ambiente como um todo. É muito utilizado em ambientes comerciais ou residenciais como cozinhas, lavanderias, escritórios, academias ou outro tipo de ambiente que exige boa iluminação para atividade.

Esta ambiente de recepção comercial está utilizando uma iluminação funcional e de luz geral, para se obter luz por um todo. Fonte da imagem: site ArcoWeb

Nesta cozinha a iluminação funcional foi bem explorada, com um pendente de luz difusa localizada no centro do ambiente e distribuindo luz no ambiente em geral, e como segunda opção, na bancada foi projetado um tampo iluminado, favorecendo na manipulação e boa visualização dos alimentos. Fonte da imagem: site Decoração e Construção.

ILUMINAÇÃO CÊNICA, esse é o efeito de luz mais atraente de todos.  Em ambientes como salas e home theater é onde recebemos visitas, então sempre queremos deixá-lo o mais aconchegante possível, uma luz mais intimista e convidativa. Pode-se dizer também que é uma luz teatral, pois transforma o cenário com efeitos de luz e sombra, destacando móveis e objetos estratégicos, fazer demarcação de piso e circulação. O ideal neste caso é deixar os circuitos o mais separado possíveis, pois assim você pode brincar com os cenários.

Ambiente com atmosfera aconchegante, marcando o painel ao fundo da imagem e destacando a mesa de centro. Fonte da imagem: site La Lampe.

Outro exemplo de ambiente com iluminação cênica, está iluminado de forma estratégica, no revestimento da parede, na marcação do piso e etc. Esta iluminada de forma que convida o usuário a sentar e descansar, assistir TV ou mesmo para conversar com os amigos. Fonte da imagem: site Decoração e Construção.

Neste ambiente pelo que vemos na foto há pouco recurso de luminárias embutidas, mas as luminárias de pé e de mesa fizeram o trabalho de iluminar de forma aconchegante, criando luz e sombra. Fonte da imagem: site Vistosi.

LUZ DE EFEITO, bem até agora vimos que a luz tem função de iluminar o ambiente ou destacar algum objeto desejado, mas no caso da iluminação de efeito é a luz o centro de interesse, com cores, formas e desenhos.

Nesta foto podemos ver o efeito de luz que as arandelas proporcionam, quando acesas elas fazem uma “escultura” de luz desenhando a parede. Fonte da imagem: site Vistosi.

Neste caso a iluminação está colorida. E como hoje existem vários tipos de lâmpadas coloridas, como LED e fluorescentes, só dependem da imaginação e criação para projetar um ambiente atraente. Fonte da imagem: site La Lampe.

Observação: nem sempre o “faça você mesmo” é o mais barato, é muito importante a contratação de um arquiteto, designer de interiores ou lighting designer para elaborar um projeto que fique interessante e adequado ao perfil do cliente.  A iluminação precisa ser projetada de forma racional, pois ela pode apresentar aspectos negativos ou positivos, como bem estar, desconforto, concentração ou dispersão dependendo da forma como foi executado.

Importância da luz natural e artificial.

In Iluminação natural, Informções técnicas on 18 de dezembro de 2009 at 20:43

A Luz como fonte de sentimentos, seus efeitos são diversos podem ser despertar, adormecer, acalmar, encher de energia, alegrar, criar clima romântico, transmitir segurança, favorecer a uma compra de um objeto numa loja, enfim, num projeto arquitetônico e de interior é fundamental projetar pensando na LUZ, seja ela artificial ou natural, tal qual com a mesma importância. Lembrando que a luz tem efeitos diversos dependendo do pé direito, tamanho do ambiente, dos móveis, paredes rugosas ou lisas e principalmente as cores, é impossível projetar a iluminação sem saber que cores serão usadas, pois a luz não ilumina por si somente, mas sim em companhia desses elementos para poder refletir.

Luz Natural

Ao iniciar um projeto residencial, por exemplo, é indiscutível a prioridade de ver a localização do terreno, indicação norte/sul, sol nascente e poente, aproveitando seus benefícios como: sol da manhã nos quartos e sol da tarde em áreas sociais, principalmente áreas de serviço onde necessitam do efeito do sol para secar roupas e outros benefícios.

Especificar as aberturas das janelas como tamanhos e localização, ver necessidade de brises verticais ou horizontais, beneficiando a iluminação e também circulação de ar no ambiente e outros mais elementos. A luz do sol é muito importante, estimula e é saudável, mas como dito anteriormente é preciso estudar a localização do terreno para saber se essa radiação solar tem necessidade de entrar na edificação e qual horário, se será controlada ou evitada, pois temos locais que de climas mais frios e outros de clima quente.

Fonte da imagem: Livro Manual do Arquiteto Descalço, autor arquiteto Johan van Lengen.

Luz Artificial

Imagine você projetando ou você comprando móveis novos para sua casa, objetos decorativos, tapetes, quadros, enfim, um grande investimento, mas se não pensarmos em conjunto com a iluminação artificial, nada disso terá o mesmo valor. O quadro e os objetos decorativos não terão destaque, os móveis não irão transmitir sua beleza, enfim, precisamos além de criar destaque, criar um ambiente aconchegante e que passe os sentimentos adequados. Por exemplo, um quarto não pode ter o mesmo tratamento que a cozinha, pois são tarefas diferentes. Ou mesmo uma loja, seja lá o produto que estiver oferecendo, pode colocar o objeto mais caro na vitrine, mas se o mesmo não estiver acompanhado de uma iluminação de destaque adequado, ele não irá criar centro de interesse.

Hoje a iluminação está muito mais valorizada no mercado da construção civil, possibilitando inúmeras possibilidades de efeitos, assim como rebaixo de gesso, tipos de luminária ou mesmo uma peça de destaque com design e principalmente o uso correto de lâmpadas e potências. Para isso temos normas técnicas a seguir como a NBR 5413 para estabelecer quantidade de iluminância para cada ambiente de interior e atividade especifico. Com iluminação artificial podemos alcançar sucessos em outros locais também como fachadas, jardins, piscina, monumentos, museus, galerias, restaurantes etc.

Fonte da imagem: Arco Web, projeto Franco & Fortes Lighting Design.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 106 outros seguidores